Domingo, 25 de Setembro de 2022
30°

Alguma nebulosidade

Teresina - PI

Senado Federal Senado Federal

Proposta prevê que SUS garanta gestação mais segura para mãe e filho

Projeto apresentado pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) cria diretrizes gerais e abrangentes para o acompanhamento do período de gestação no Sist...

30/08/2022 às 13h30
Por: Amarildo de Jesus costa Mota Junior Fonte: Agência Senado
Compartilhe:

Projeto apresentado pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) cria diretrizes gerais e abrangentes para o acompanhamento do período de gestação no Sistema Único de Saúde (SUS) e em outros órgãos públicos. O PL 2.285/2022 enfatiza a necessidade de cuidados no pré e no pós-natal de qualidade, humanizado e que respeite os direitos básicos das gestantes, parturientes e puérperas, de forma a garantir uma experiência positiva e saudável para as mulheres e seus filhos. O projeto ainda não foi distribuído para as comissões.

O senador, que é médico de formação, justifica que a matéria possui alta relevância social e de saúde pública, e que recentemente a Organização Mundial da Saúde (OMS), reconhecendo a importância dos cuidados a serem prestados à mulher e à criança após o parto, editou suas primeiras diretrizes globais para apoiar mulheres e recém-nascidos no período pós-natal. 

“São mais de 60 recomendações feitas para promover uma experiência pós-natal positiva para as mulheres, os recém-nascidos e suas famílias”, explica Rogério. 

Pré e pós-natal

A proposta apresenta recomendações voltadas às diferentes fases do período gestacional. Na justificativa, há destaque para o direito de locomoção de gestantes e puérperas vulneráveis. O texto estabelece que o poder público proverá os meios para o deslocamento gratuito da mulher para a realização de consultas e exames durante o pré-natal e acompanhamento pós-natal nos serviços públicos de saúde, até que a criança complete um ano de idade.

Rogério destaca o período pré-natal como um momento crucial para a gestação se houver a devida assistência integral à saúde, com profissionais qualificados e acesso a informações, tratamentos e procedimentos com base em evidências científicas, e a necessidade do apoio familiar. 

“Importa, ainda, que a participação e o apoio do cônjuge e da família durante o período gravídico-puerperal e que a promoção de maternidade e paternidade responsáveis sejam preocupações das políticas públicas de promoção da saúde da mulher e da criança”, afirma o senador. 

Para o acompanhamento pós-natal, o cuidado tem que ser intensificado, de acordo com Rogério, pois é quando ocorre a maioria das mortes maternas e infantis. Assim, o texto propõe a abordagem de temas como aleitamento materno, acesso à contracepção, promoção da saúde e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, além de prover triagem para tratamento de depressão e ansiedade pós-parto e em situação de perda gestacional.

“É nesse período que a ocorrência de diversas consequências físicas e emocionais do parto, como lesões e dores, além de dificuldades com o aleitamento, podem comprometer a saúde física e emocional da mulher e seu vínculo com o recém-nascido, caso não recebam a devida atenção”, diz. 

Parto Humanizado

Inserido nas recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o parto humanizado é uma demanda das mulheres e da sociedade em geral, que exigem mudanças no enfoque de atenção ao parto e ao nascimento, para centrá-lo na mulher e na criança. 

Para o procedimento, o senador apresenta as seguintes diretrizes: cuidado respeitoso e acolhedor, apoio durante o trabalho de parto, autonomia da gestante para fazer as escolhas sobre como se dará o nascimento de seu filho, ambiente que proporcione o suporte necessário, métodos farmacológicos e não farmacológicos para alívio da dor, práticas e condutas baseadas em evidências científicas, abolição de intervenções desnecessárias ou contraindicadas e valorização do contato mãe-bebê. 

“No Brasil, há uma gama enorme de normas infralegais que buscam a efetivação do parto humanizado nos serviços de saúde nos moldes preconizados pela OMS. O parto humanizado é, acima de tudo, o resgate de premissas, como o papel de protagonista da mulher, e o parto como evento fisiológico, que implica, portanto, intervenção mínima, médica ou de outros profissionais de saúde". 

Abuso sexual

O projeto prevê ainda o acompanhamento da gestante vítima de agressão física, psicológica, patrimonial, moral e sexual — por se tratar de tema com grande número de casos no país. Mulher vítima de estupro deve ser informada sobre o protocolo médico aplicável para prevenir e tratar agravos decorrentes da violência, entre eles a possibilidade de entrega do filho para adoção

Joás Benjamin sob supervisão de Patrícia Oliveira

Veja também
Teresina - PI Atualizado às 20h45 - Fonte: ClimaTempo
30°
Alguma nebulosidade

Mín. 23° Máx. 35°

Seg 37°C 22°C
Ter 38°C 22°C
Qua 38°C 23°C
Qui 38°C 23°C
Sex 38°C 24°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes